Terça-feira, 1 de Novembro de 2011

PRÓXIMA SESSÃO - CAFÉ E LETRAS, COMUNIDADE DE LEITORES

 

“A Opereta dos Vadios”

2 de Novembro, às 19h

 


A Livraria Almedina do Atrium Saldanha acolhe no dia 2 de Novembro, pelas 19h, uma troca de ideias em torno do novo romance de Francisco Moita Flores, intitulado A Opereta dos Vadios. Esta sessão da Comunidade de Leitores serve como preparação para o encontro de dia 30 de Novembro, que inclui a presença do autor, e conta ainda com a leitura paralela do livro Cemitério de Praga, de Umberto Eco.

“Uma sátira política sobre um país de sobrolho carregado, falido, mas que o fará soltar umas boas gargalhadas” - é assim que é apresentada “A Opereta dos Vadios”, a última obra de Francisco Moita Flores, que servirá para o debate desta sessão da Almedina.

Com moderação da jornalista e escritora Filipa Melo, os encontros da Comunidade de Leitores realizam-se sempre na primeira e última quarta-feira de cada mês, num ambiente informal, partilhando a experiência de leitura prévia de um livro de ficção e, em conjunto, o reler em voz alta, analisar, discutir e relacionar com outras leituras paralelas e com a experiência de vida de cada um.

Esta é a mais antiga Comunidade de Leitores activa numa livraria portuguesa, afirmando-se como o espaço, por excelência, de todos aqueles que gostam de ler e querem conhecer pessoalmente escritores da literatura portuguesa contemporânea. Na última sessão de cada mês, estará sempre presente o autor em destaque.

A Comunidade de Leitores insere-se na programação cultural da Livraria Almedina do Atrium Saldanha, chamada “Ciclo do Café”, que conta com a coordenação geral da escritora e jornalista Filipa Melo, onde se pretende debater ideias sobre temas como a política, os direitos, os blogues, o eu, e os clássicos.

Sobre o autor:
Francisco Moita Flores tem o nome associado a uma vasta e prestigiada obra que se distribui pelo romance, televisão, cinema e teatro. Alguns dos seus trabalhos estão inscritos na galeria da melhor ficção nacional. “Ballet Rose”, “Raia dos Medos”, “O Processo dos Távora”, “A Ferreirinha”, “A Fúria das Vinhas”, “Não Há Lugar Para Divorciadas”, “Polícias sem História”, “Filhos do Vento”, “Mataram o Sidónio”, as adaptações de grandes autores como Aquilino Ribeiro, Eça de Queirós, Júlio Dinis, entre outros, tornaram-no uma figura incontornável da dramaturgia escrita em português. Traduzido em várias línguas, várias vezes premiado quer em Portugal quer no estrangeiro, foi recentemente distinguido pelo Presidente da República com a condecoração de Grande Oficial da Ordem do Infante.

Sinopse:
De repente, o País ficou de sobrolho carregado. Zangado. A bancarrota revolveu os intestinos da política e entregou ao Povo um sarilho cheio de fome. A democracia, com a barriga cheia de teias de aranha, desatou a vomitar vermes. De testa franzida. Fazedores de milagres. Gente que perdeu a virtude do riso. Portugal transformou-se num protectorado alemão e o Zé Francisco, velho anarquista, exilado em Paris, com os seus amigos de sempre, vindos de todos os lados da política, decidiram criar um novo partido político (PUN) dispostos a ganhar as próximas eleições. Um grupo de vadios intelectuais, sem eira nem beira, olhando desesperados para os sonhos antigos desfeitos em cinzas. E avançam, munidos de armas terríveis. A mais letal de todas elas é a gargalhada. Sem programa político, que é caro e ninguém lê, distribuem arroz PUN, provocam o riso e os vadios riem de si próprios. A democracia dos homens sisudos e sérios, cheia de cangalheiros formatados no mesmo fato de ideias feitas, estremece. A Direita e a Esquerda, ou vice-versa, embasbacam perante este movimento que sacode o país e lhe mata a fome. No meio da desorientação a polícia erra os alvos e os comentadores estrebucham quando são confrontados com um bando de bem-dispostos. É esta “A Opereta dos Vadios”.

Próximas sessões:
A Opereta dos Vadios
Francisco Moita Flores
30 de Novembro, 19h
Leitura paralela:
Cemitério de Praga, Umberto Eco

Uma Viagem à Índia
Gonçalo M. Tavares
7 e 15 de Dezembro, 19h
Leitura paralela:
Kyoto, Yasunari Kawabata 

publicado por bloguedoscafes às 19:21
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

.posts recentes

. Próximo Café da Política ...

. Próxima sessão: Café do E...

. ...

. FERNANDO PESSOA POR JERÓN...

. HOMENAGEM A JOSÉ SARAMAGO

. O REGRESSO DO CAFÉ DA POL...

. ...

. O REGRESSO DO CAFÉ DO EU

. O REGRESSO DO CAFÉ DOS DI...

. PRÓXIMA SESSÃO: NÓS E OS ...

.arquivos

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

.links

.Ligações

A Arte da Fuga

A Barbearia do Senhor Luís

A Causa Foi Modificada

A Civilização do Espectáculo

A Destreza das Dúvidas

A Douta Ignorância

A Montanha Mágica

A Natureza do Mal

A Origem das Espécies

A Senhora Sócrates

A Terceira Noite

A 1 metro do chão

ABC do PPM

Abrupto

Albergue Espanhol

Almocreve das Petas

Amor e Outros Desastres

Arcádia

Arrastão

Aspirina B

Avatares de um desejo

Bandeira ao Vento

Bairro Melancómico

Beira-Tejo

Bibliotecário de Babel

Bic Laranja

Bicho Carpinteiro

Blasfémias

Blogue de Direita

Câmara de Comuns

Câmara dos Lordes

Cartas do Meu Moinho

Causa nossa

Cibertúlia

5 Dias

Circo da Lama

Clube das Repúblicas Mortas

Complexidade e Contradição

Contra a Corrente

Corta-Fitas

Córtex Frontal

Da Literatura

Delito de Opinião

Desesperada Esperança

Devaneios

Distúrbios Elementares

Don Vivo

É tudo gente morta

Era Uma Vez na América

Espumadamente

Estado Sentido

F World

Gato do Cheshire

Horizonte Artificial

Farmácia Central

Fio de Prumo

Gravidade Intermédia

Hoje Há Conquilhas

Horas Extraordinárias

Impensável

Impertinências

Irmão Lúcia

Jacarandá

Joel Neto

Jonasnuts

Jovens do Restelo

Jugular

Ladrões de Bicicletas

Léxico Familiar

Ler

Lóbi do Chá

Lucy Pepper

Lugares Comuns

Mar Salgado

Margens de Erro

Meditação na Pastelaria

Memória Virtual

Menina Limão

Minoria Ruidosa

Miss Pearls

Mood Swing

Nortadas

O Cachimbo de Magritte

O Carmo e a Trindade

O Diplomata

O Escafandro

O Insurgente

O Jansenista

O Jardim Assombrado

O Silêncio dos Livros

O Tempo das Cerejas

Os Comediantes

Os Tempos e as Vontades

Palavrossavrvs Rex

Pastoral Portuguesa

Pedro Rolo Duarte

Portugal dos Pequeninos

Provas de Contacto

Rititi

Rui Zink

Rulote

Shakira Kurosawa

Sound+Vision

Suction with Valcheck

The Sock Gap

31 da Armada

Um Homem na Cidade

União de Facto

Vasco Campilho

Vastulec

Vida Breve

Vontade Indómita

Voz do Deserto

blogs SAPO

.subscrever feeds