Terça-feira, 22 de Novembro de 2011

PRÓXIMA SESSÃO - CAFÉ DOS DIREITOS

 

 

 

Ana Paula Barros explica 

 

 

“como se pode defender


de práticas comerciais enganosas”

 



A Livraria Almedina Atrium Saldanha recebe a iniciativa “Café dos Direitos, no dia 23 de Novembro, quarta-feira, pelas 19h. A advogada e autora do guia “Consumo”, Ana Paula Barros, é a convidada desta sessão, que tem como objectivo ensinar como se defender de práticas comerciais enganosas. A entrada é livre.

Como proteger os seus direitos em situações concretas é apenas um dos tópicos em debate nesta sessão do “Café dos Direitos”. Na Almedina, vai-se discutir como agir em caso de defeitos, falta de reparação durante a garantia, trocas, devoluções, publicidade enganosa, entre outros. Ana Paula Barros vai falar, ainda, acerca das Entidades Reguladoras e de Fiscalização e respectivos âmbitos de intervenção.

Com coordenação de Edgar Valles, o “Café dos Direitos” pretende ser um espaço de informação jurídica relevante para o cidadão comum, exposta por especialistas de forma actual, rigorosa e acessível. Do trabalho à família, ao consumo, à segurança social, ao arrendamento ou aos impostos... Todas as perguntas podem ser respondidas no “Café dos Direitos”.

O “Café dos Direitos” insere-se na programação cultural da Livraria Almedina do Atrium Saldanha, chamada “Ciclo do Café”, que conta com a coordenação geral da jornalista e escritora Filipa Melo, onde se pretende debater ideias sobre temas como a política, os direitos, os blogues, o eu, e os clássicos.

Sobre Edgar Valles
Exerce advocacia desde 1977. É formador do Centro de Estágio de Lisboa da Ordem dos Advogados na área do Processo Civil. Foi colaborador da revista "Seara Nova" no período de 1973 a 1977, colaborou no semanário "Extra", no "Diário de Lisboa" e no “PÚBLICO", onde manteve um consultório jurídico de 1993 a 1995. O consultório jurídico na edição on-line deste jornal foi iniciado em Dezembro de 2003. Integrou duas direcções da Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa, em 1972 e 1974. Foi membro do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados de 1992 a 1995. É, actualmente, Presidente da Assembleia Geral da Casa de Goa e membro da Direcção da Associação 27 de Maio.

publicado por bloguedoscafes às 11:26
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 16 de Novembro de 2011

SINAIS DE FOGO NO CAFÉ E LETRAS - NÓS E OS CLÁSSICOS

17 de Novembro, às 19h


O escritor Fernando Cabral Martins é o convidado desta sessão do “Café e Letras - Nós e os Clássicos” a decorrer no dia 17 de Novembro, quinta-feira, pelas 19h, na Livraria Almedina Atrium Saldanha. Em debate está o livro “Sinais de Fogo”, de Jorge de Sena. A entrada é livre.

“Sinais de Fogo” é um romance único que faz parte de um projecto romancesco de grande dimensão cuja designação genérica seria Monte Cativo, objectivando o recorte de uma geração nascida nos finais dos anos 10 do século XX, “Sinais de Fogo” abriga em si o despertar de um jovem, entre um grupo de amigos e familiares, para a sexualidade, a política e o fazer poético. De uma erudição e de um rigor literário inexcedíveis, aqui se fixa um olhar sobre o ano de 1936, tendo como pano de fundo o início da Guerra Civil de Espanha.

O convidado Fernando Cabral Martins tem como principais áreas científicas de investigação a Literatura e cultura portuguesa dos séculos XIX e XX, Crítica Textual e Teoria da Edição. Traduziu Boris Vian, Canções e Poemas, em colaboração com Irene Freire Nunes.

O “Café e Letras - Nós e os Clássicos” está inserido na programação cultural da Livraria Almedina Atrium Saldanha, chamado “Ciclo do Café”, com coordenação geral da jornalista e escritora Filipa Melo, e prolonga-se até Dezembro. Inclui temas como os direitos, os blogues, comunidade de leitores, política, filosofia e psicanálise.

O objectivo das sessões de “Nós e os Clássicos” é responder às relações possíveis entre os grandes livros e as grandes questões da actualidade.

Sobre Jorge de Sena:
Escritor português (1919-1978), poeta, ficcionista, dramaturgo e ensaísta, a sua obra é marcada sobretudo pela reflexão humanista acerca da liberdade do Homem. "Pensador que sente e sentidor que pensa" (Eugénio Lisboa), os seus poemas, de entre os quais se salientam aqueles de Metamorfoses e Arte da Música, partem geralmente de um objeto para fixar uma meditação sobre o "eu" e o seu lugar no mundo. Das suas narrativas sobressaem “Sinais de Fogo”, romance da formação de um poeta no Portugal do Estado Novo, Novas e Antigas Mudanças do Demónio e Os Grão-Capitães, colectâneas de contos.

Sobre Filipa Melo:
Trabalha desde 1990, como jornalista especializada na área de Cultura/Literatura, trabalhou como repórter (Visão, Expresso, Grande Reportagem, Ler, JL, O Independente, Escrita em Dia/ SIC), editora (Livros de Portugal/APEL, Mil Folhas/Público, Oriente/ SIC Notícias, Magazine e Magazine Livros/ RTP2), crítica e comentadora (Acontece e Jornal2, RTP2) e consultora (Câmara Clara, RTP2). Actualmente, assina crítica literária no jornal Sol e na revista Ler e assina a autoria, edição e apresentação do programa Nós e os Clássicos, em exibição na Sic Notícias. Recebeu o Prémio Nacional de Cultura Sampaio Bruno em 1996. O seu primeiro romance, Este É o Meu Corpo (Temas e Debates/Sextante) foi publicado em Portugal em 2001 e, nos anos seguintes, em Espanha, França, Itália, Polónia, Croácia, Eslovénia e Brasil. Os seus contos encontram-se publicados em diversas publicações e antologias portuguesas e internacionais.

CAFÉ E LETRAS: NÓS E OS CLÁSSICOS
Próxima sessão:
13 de Dezembro - As Prosas Todas, de Álvaro de Campos, com Teresa Rita Lopes (professora catedrática, escritora)

publicado por bloguedoscafes às 13:09
link do post | comentar | favorito

HOJE: O CIÚME NO CAFÉ DO EU

 

16 de Novembro, pelas 19h



O “Café do Eu” da Livraria Almedina Atrium Saldanha apresenta mais uma proposta para dia 16, quarta-feira, às 19 horas: o ciúme será debatido, a jeito de tertúlia, pelo filósofo Nuno Nabais e pela psicanalista Manuela Harthley. A entrada é livre.

Em discussão vai estar “o ciúme”, como “fazendo parte do terno ordenado: inveja, ciúme, gratidão”, explica Manuela Harthley. Questões como “temos ciúmes porque tememos ser substituídos? Temos ciúmes porque temos medo que o outro seja melhor do que nós e assim arriscamos a perda do objecto de amor? Pode o amor escapar ao ciúme?” vão ser respondidas nesta sessão do “Café do Eu”.

Com coordenação e moderação de Manuela Harthley e Nuno Nabais, o principal objectivo do “Café do Eu” é reflectir, discutir e trocar experiências sobre quem somos e como somos, à luz da filosofia e da psicanálise. Para Manuela Harthley, o “desafio surge através das questões levantadas pelos participantes”.

O “Café do Eu” faz parte da programação da Livraria Almedina Atrium Saldanha chamada “Ciclo do Café”, que conta com a coordenação geral da escritora e jornalista Filipa Melo. Este ciclo inclui temas como a Política, Comunidade de Leitores, os Clássicos, os Direitos e os Blogues.

Sobre Manuela Harthley
É professora de matemática no ensino superior há 37 anos. É Psicanalista, da SPP (Sociedade Portuguesa de Psicanálise) e membro da IPA (internacional). Faz trabalho de investigação clínico, na área da ligação entre matemática e psicanálise.

Sobre Nuno Nabais:
É professor do Departamento de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Publicou livros sobre Nietzsche e Husserl. Fundador e responsável pela Fábrica de Braço de Prata -  Livraria, Galeria de Arte, Salas de Concertos.

publicado por bloguedoscafes às 13:08
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 8 de Novembro de 2011

Ana Gomes no Café da Política

 

Ana Gomes desvenda quais

os segredos e mentiras

na política e na diplomacia

 

9 de Novembro, às 19h

A Livraria Almedina Atrium Saldanha recebe a política portuguesa Ana Gomes, no dia 9 de Novembro, quarta-feira, pelas 19h, para falar acerca do tema “Política e Diplomacia: segredos e mentiras”, por ocasião do Café da Política. Com entrada livre, a sessão conta com a moderação do jornalista Luís Osório.

Ana Gomes é activista política desde que se conhece. Militou no MRPP e esteve na primeira linha entre os jovens revolucionários maoístas. Quis o destino que se tornasse diplomata e, como Embaixadora na Indonésia, deixou a sua marca na história.

A proposta desta sessão do “Café da Política” é uma conversa sem tabus sobre o que se passa nas divisões escondidas: o poder dos diplomatas, a sua relação com os políticos e o que está verdadeiramente a ser discutido por quem decide. Ana Gomes fará também uma viagem pelo que foi a sua vida, pelos seus ódios e amores, pelos países onde esteve, pelos voos da CIA e pelos serviços secretos.

Luís Osório explica que o objectivo do “Café da Política” passa por “conseguir encontrar um espaço de discussão onde a Política possa ser falada sem reticências”. Para além disso, o coordenador e moderador da iniciativa compromete-se a “estimular o pensamento de todos os que a ele assistirem – com novas ideias, provocações, polémica e inteligência”, numa interacção permanente com as pessoas.

O “Café da Política” é um contributo para o regresso à Política e conta com a coordenação e moderação de Luís Osório. Está inserido na programação da Livraria Almedina Atrium Saldanha chamada “Ciclo do Café”, que conta com a coordenação geral da escritora e jornalista Filipa Melo e inclui temáticas como os direitos, os blogues, o eu, e os clássicos.

Sobre Ana Gomes
Ana Maria Rosa Martins Gomes é jurista e política portuguesa. É licenciada pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, desde 1979, e obteve um diploma em Direito Comunitário, pelo Instituto Nacional de Administração, em 1981. Ingressou na carreira diplomática em 1980. Foi consultora do Presidente da República para a Diplomacia, entre 1982 e 1986. Serviu na Missão Permanente de Portugal junto das Nações Unidas, de 1986 a 1989, em Genebra e, de 1997 a 1998, em Nova Iorque, onde coordenou a Delegação Portuguesa ao Conselho de Segurança. Daí saiu para exercer funções nas Embaixadas de Portugal em Tóquio, até 1991, e em Londres, até 1994. Foi também membro da Delegação Portuguesa ao Processo de Paz no Médio Oriente durante a Presidência Portuguesa da União Europeia, em 1992, integrou o Gabinete de Assuntos Políticos Especiais do Ministério dos Negócios Estrangeiros, entre 1994 e 1995, e chefiou o gabinete do secretário de Estado dos Assuntos Europeus, até 1996. Foi embaixadora de Portugal em Jacarta, de 1999 a 2003. Depois de abandonar a carreira diplomática, em 2003, foi eleita deputada ao Parlamento Europeu, em 2004 e 2009. Em 2009 candidatou-se, simultaneamente, a presidente da Câmara Municipal de Sintra, acabando derrotada por Fernando Seara. É membro da Comissão Nacional e da Comissão Política do Partido Socialista, desde 2002, e integrou o Secretariado Nacional, entre 2003 e 2004.

Sobre Luís Osório
Tem uma formação jornalística com experiência em televisão, rádio e imprensa escrita. Ganhou vários prémios de imprensa, tem livros publicados, realizou documentários, encenou uma peça de teatro, foi comentador político, fez parte de comissões governamentais, dirigiu um jornal e uma estação de rádio.

Próxima sessão CAFÉ DA POLÍTICA:

Os donos da opinião têm verdadeiro poder?

Com Luís Delgado e Carlos Magno

14 de Dezembro, às 19h


publicado por bloguedoscafes às 19:54
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 1 de Novembro de 2011

PRÓXIMA SESSÃO - CAFÉ E LETRAS, COMUNIDADE DE LEITORES

 

“A Opereta dos Vadios”

2 de Novembro, às 19h

 


A Livraria Almedina do Atrium Saldanha acolhe no dia 2 de Novembro, pelas 19h, uma troca de ideias em torno do novo romance de Francisco Moita Flores, intitulado A Opereta dos Vadios. Esta sessão da Comunidade de Leitores serve como preparação para o encontro de dia 30 de Novembro, que inclui a presença do autor, e conta ainda com a leitura paralela do livro Cemitério de Praga, de Umberto Eco.

“Uma sátira política sobre um país de sobrolho carregado, falido, mas que o fará soltar umas boas gargalhadas” - é assim que é apresentada “A Opereta dos Vadios”, a última obra de Francisco Moita Flores, que servirá para o debate desta sessão da Almedina.

Com moderação da jornalista e escritora Filipa Melo, os encontros da Comunidade de Leitores realizam-se sempre na primeira e última quarta-feira de cada mês, num ambiente informal, partilhando a experiência de leitura prévia de um livro de ficção e, em conjunto, o reler em voz alta, analisar, discutir e relacionar com outras leituras paralelas e com a experiência de vida de cada um.

Esta é a mais antiga Comunidade de Leitores activa numa livraria portuguesa, afirmando-se como o espaço, por excelência, de todos aqueles que gostam de ler e querem conhecer pessoalmente escritores da literatura portuguesa contemporânea. Na última sessão de cada mês, estará sempre presente o autor em destaque.

A Comunidade de Leitores insere-se na programação cultural da Livraria Almedina do Atrium Saldanha, chamada “Ciclo do Café”, que conta com a coordenação geral da escritora e jornalista Filipa Melo, onde se pretende debater ideias sobre temas como a política, os direitos, os blogues, o eu, e os clássicos.

Sobre o autor:
Francisco Moita Flores tem o nome associado a uma vasta e prestigiada obra que se distribui pelo romance, televisão, cinema e teatro. Alguns dos seus trabalhos estão inscritos na galeria da melhor ficção nacional. “Ballet Rose”, “Raia dos Medos”, “O Processo dos Távora”, “A Ferreirinha”, “A Fúria das Vinhas”, “Não Há Lugar Para Divorciadas”, “Polícias sem História”, “Filhos do Vento”, “Mataram o Sidónio”, as adaptações de grandes autores como Aquilino Ribeiro, Eça de Queirós, Júlio Dinis, entre outros, tornaram-no uma figura incontornável da dramaturgia escrita em português. Traduzido em várias línguas, várias vezes premiado quer em Portugal quer no estrangeiro, foi recentemente distinguido pelo Presidente da República com a condecoração de Grande Oficial da Ordem do Infante.

Sinopse:
De repente, o País ficou de sobrolho carregado. Zangado. A bancarrota revolveu os intestinos da política e entregou ao Povo um sarilho cheio de fome. A democracia, com a barriga cheia de teias de aranha, desatou a vomitar vermes. De testa franzida. Fazedores de milagres. Gente que perdeu a virtude do riso. Portugal transformou-se num protectorado alemão e o Zé Francisco, velho anarquista, exilado em Paris, com os seus amigos de sempre, vindos de todos os lados da política, decidiram criar um novo partido político (PUN) dispostos a ganhar as próximas eleições. Um grupo de vadios intelectuais, sem eira nem beira, olhando desesperados para os sonhos antigos desfeitos em cinzas. E avançam, munidos de armas terríveis. A mais letal de todas elas é a gargalhada. Sem programa político, que é caro e ninguém lê, distribuem arroz PUN, provocam o riso e os vadios riem de si próprios. A democracia dos homens sisudos e sérios, cheia de cangalheiros formatados no mesmo fato de ideias feitas, estremece. A Direita e a Esquerda, ou vice-versa, embasbacam perante este movimento que sacode o país e lhe mata a fome. No meio da desorientação a polícia erra os alvos e os comentadores estrebucham quando são confrontados com um bando de bem-dispostos. É esta “A Opereta dos Vadios”.

Próximas sessões:
A Opereta dos Vadios
Francisco Moita Flores
30 de Novembro, 19h
Leitura paralela:
Cemitério de Praga, Umberto Eco

Uma Viagem à Índia
Gonçalo M. Tavares
7 e 15 de Dezembro, 19h
Leitura paralela:
Kyoto, Yasunari Kawabata 

publicado por bloguedoscafes às 19:21
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

.posts recentes

. Próximo Café da Política ...

. Próxima sessão: Café do E...

. ...

. FERNANDO PESSOA POR JERÓN...

. HOMENAGEM A JOSÉ SARAMAGO

. O REGRESSO DO CAFÉ DA POL...

. ...

. O REGRESSO DO CAFÉ DO EU

. O REGRESSO DO CAFÉ DOS DI...

. PRÓXIMA SESSÃO: NÓS E OS ...

.arquivos

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

.links

.Ligações

A Arte da Fuga

A Barbearia do Senhor Luís

A Causa Foi Modificada

A Civilização do Espectáculo

A Destreza das Dúvidas

A Douta Ignorância

A Montanha Mágica

A Natureza do Mal

A Origem das Espécies

A Senhora Sócrates

A Terceira Noite

A 1 metro do chão

ABC do PPM

Abrupto

Albergue Espanhol

Almocreve das Petas

Amor e Outros Desastres

Arcádia

Arrastão

Aspirina B

Avatares de um desejo

Bandeira ao Vento

Bairro Melancómico

Beira-Tejo

Bibliotecário de Babel

Bic Laranja

Bicho Carpinteiro

Blasfémias

Blogue de Direita

Câmara de Comuns

Câmara dos Lordes

Cartas do Meu Moinho

Causa nossa

Cibertúlia

5 Dias

Circo da Lama

Clube das Repúblicas Mortas

Complexidade e Contradição

Contra a Corrente

Corta-Fitas

Córtex Frontal

Da Literatura

Delito de Opinião

Desesperada Esperança

Devaneios

Distúrbios Elementares

Don Vivo

É tudo gente morta

Era Uma Vez na América

Espumadamente

Estado Sentido

F World

Gato do Cheshire

Horizonte Artificial

Farmácia Central

Fio de Prumo

Gravidade Intermédia

Hoje Há Conquilhas

Horas Extraordinárias

Impensável

Impertinências

Irmão Lúcia

Jacarandá

Joel Neto

Jonasnuts

Jovens do Restelo

Jugular

Ladrões de Bicicletas

Léxico Familiar

Ler

Lóbi do Chá

Lucy Pepper

Lugares Comuns

Mar Salgado

Margens de Erro

Meditação na Pastelaria

Memória Virtual

Menina Limão

Minoria Ruidosa

Miss Pearls

Mood Swing

Nortadas

O Cachimbo de Magritte

O Carmo e a Trindade

O Diplomata

O Escafandro

O Insurgente

O Jansenista

O Jardim Assombrado

O Silêncio dos Livros

O Tempo das Cerejas

Os Comediantes

Os Tempos e as Vontades

Palavrossavrvs Rex

Pastoral Portuguesa

Pedro Rolo Duarte

Portugal dos Pequeninos

Provas de Contacto

Rititi

Rui Zink

Rulote

Shakira Kurosawa

Sound+Vision

Suction with Valcheck

The Sock Gap

31 da Armada

Um Homem na Cidade

União de Facto

Vasco Campilho

Vastulec

Vida Breve

Vontade Indómita

Voz do Deserto

blogs SAPO

.subscrever feeds